Reajuste anual Unimed: entidades exigem cumprimento do contrato

No dia 19 de outubro as entidades ADUFOP, ASSUFOP e SINASEFE-IFMG estiveram na sede da Unimed Inconfidentes, em Ouro Preto, para discutir sobre o reajuste anual do Plano Privado de Assistência à Saúde Coletivo por Adesão. Conforme rege o contrato, o reajuste é anual, ocorre no mês de outubro e é composto de dois itens:
a- Inflação acumulada no período de 12 meses medida pelo índice IGP-M;
b- Taxa de sinistralidade, que equivale a uma sobra de receita da Unimed de até 25%.
Neste ano de 2017 o IGPM acumulado (out/2016 – set/2017) ficou em -1,5% (negativo), ao passo que o resultado entre receita e despesa ficou com um saldo positivo da Unimed em 28%.

Os sindicalizados interessados podem consultar as planilhas de receitas e despesas do período aqui. Segundo o relatório apresentado pela seguradora, em números redondos, a Unimed arrecadou R$1.820.000,00 (R$1,82 milhão) em coparticipação e R$11.870.000,00 (R$11,87 milhões) em mensalidades, totalizando receitas de R$13.690.000,00 (R$13,69 milhões). No mesmo período, a Unimed apresentou gastos de R$10.390.000,00 (R$10,39 milhões), portanto com sobra líquida de R$3.300.000,00 (R$3,3 milhões), o que equivale a três meses de receita global com o contrato.

Com base nesses dados, as entidades exigiram na mesa de negociação o cumprimento das regras contratuais, e, portanto, que não ocorra majoração dos valores de mensalidade e coparticipação no próximo período (nov-2017/out-2018).