Nota de repúdio da diretoria do ANDES-SN aos ataques à caravana do ex-presidente Lula

Fonte: Andes

Nesta última semana aconteceram novos fatos que mostram traços do fascismo na tentativa de barrar a luta social e política. Temos denunciado a situação política muito delicada pela ação da seletividade da justiça, pela criminalização das lutas sociais e pela intervenção militar no Rio de Janeiro, tudo em nome da manutenção e ampliação dos privilégios da oligarquia financeira local enquistada na estrutura do Estado. 

O crime político cometido contra a vereadora Marielle Franco e contra o motorista Anderson Gomes, no Rio de Janeiro, no dia 14 de março, é um exemplo dos crimes que todos os dias são praticados contra a população negra, LGBT, as mulheres e os pobres, e em geral, contra os que lutam por causas sociais, socio-ambientais e pelos diretos humanos, e foi um degrau qualitativamente superior neste caminho de deterioração da convivência social e política protagonizado pelos mesmos grupos econômicos e políticos poderosos e enriquecidos com este sistema econômico e as medidas dos governos subservientes.

O ataque a tiros no dia 27 de março no trajeto entre as cidades de Quedas do Iguaçú e Laranjeiras do Sul no estado de Paraná à caravana que, o ex-presidente Lula, seu partido, aliados e amigos legitimamente organizam pelo sul do paíspara divulgar e defender propostas que, ainda que não compartilhemos, não podem ser combatidas assim,  se inscreve nesta lógica muito perigosa. Repudiamos esse ataque, como já repudiamos outros ataques contra quem luta por justiça e direitos sociais, e exigimos que seja investigado, esclarecido e devidamente punidos, seus autores e mandantes.

Lembramos que o STF tomará nesta semana uma decisão que terá impacto relevante no curso da política institucional nestes próximos meses e nos anos subsequentes. Não temos ilusões nessa instituição que já mostrou que atua no mesmo sentido de defesa dos interesses dos ricos e poderosos da nossa sociedade.  Temos posição que condena a seletividade da justiça e reiteramos, nesta oportunidade, essa mesma atitude construída e aprovada nas máximas instâncias deliberativas nos últimos eventos do nosso sindicato.

Reafirmamos mais uma vez, a convocatória a mais ampla unidade, sem negar as diferenças, entre as forças sociais e políticas do arco democrático, popular e classista, para lutar contra a fascistização das lutas sociais e políticas, e a retirada de direitos. Conclamamos as forças sociais e políticas classistas a se unirem e a lutarem pela construção de uma alternativa democrática e classista para enfrentar a oligarquia financeira e a crise geral do sistema econômico da nossa sociedade.

Brasília (DF), 3 de abril de 2018

Diretoria do ANDES-SINDICATO NACIONAL