Chapa 1 – ANDES Autônomo e de Luta eleita para a diretoria do ANDES 2018-2020

Liderada pelo professor Antônio Gonçalves Filho (APRUMA), a diretoria do ANDES, biênio 2018-2020 recebeu

Chapa 1 – Andes-SN Autônomo e de luta

8.732 votos, equivalente a 52% do universo de votantes que compareceram às centenas de urnas nos campi das Instituições de Ensino Superior de todo o país.  Completam a diretoria Eblin Farage, (ADUFF), secretária geral; Raquel Araújo  (SINDUECE), 1ª tesoureira; a lista com os demais nomes, incluindo secretarias regionais você pode acessar neste link. O professor Joaquim Toledo (aposentado, ADUFOP) integra a Secretaria Regional Leste como 1º tesoureiro.

A posse da diretoria eleita ocorrera no próximo dia 28 de junho, em Fortaleza (CE) durante a abertura do 63o Conad, sediado pela SINDUECE.

Confira neste link o resultado da eleição publicado pela Comissão Eleitoral Central.

Confira neste link a carta manifesto da diretoria eleita.

ADUFOP enfrenta situação bizarra nesta eleição do ANDES-SN 2018

A Comissão Eleitoral Local da ADUFOP relatou ao presidente eleito da ADUFOP a ocorrência de um fato, no mínimo bizarro, durante os dias de votação neste processo eleitoral. Na verdade a comissão ficou estupefata ao constatar a presença de profissionais da boca de urna realizando trabalho para a chapa derrotada no pleito nacional. Ao cruzar informações, a comissão constatou que dois sujeitos invadiram de forma ilegítima, imoral e antiética as seções eleitorais colando cartazes em locais indevidos, percorrendo corredores e importunando docentes e, inclusive, pelo menos uma reunião departamental ao que se tem conhecimento, fazendo “campanha”. No frigir dos ovos, a comissão aferiu que os sujeitos nem docentes o são, e muito menos sindicalizados à ADUFOP, ou quiçá, ao sindicato nacional em outra seção sindical!!!! Portanto, a comissão concluiu que além de tudo é uma atitude deplorável do ponto de vista do convívio respeitoso da disputa política, natural, em um sindicato de base nacional como o ANDES.

Por fim, a comissão arguiu junto ao professor André Mayer, presidente eleito da ADUFOP, restam algumas dúvidas sem resposta neste episódio farsesco: de que covil partiram esses profissionais da militância? Quem financiou  essa tentativa frustrada de canibalismo sindical? Até onde podemos tolerar essa selvageria?